segunda-feira, 25 de julho de 2011

Curtindo coisas do passado. Como as 10 regras do Futebol de Rua


Minha filha volta do acampamento de inverno, apaixonada pelo jogo de taco na rua.
Concluiu que é o melhor jogo do mundo. Eu concordo. Especialmente quando tem carro por perto, que a bola vai parar embaixo do carro.
E quando tem um morro que desce, que quando se bate pra lá, diz-se adeus à bola.
Emfim... saudades dos jogos coletivos de infância, sem metralhadoras M-16 e granadas, aliens despencando aos milhares, a pirotecnia dos videogames de hoje.
Recebo este texto de um amigo.
 

1. A BOLA
A bola pode ser qualquer coisa remotamente esférica. Até uma bola de futebol serve. No desespero, usa-se qualquer coisa que role, como uma pedra, uma lata vazia ou a merendeira do irmão menor.
2. O GOL
O gol pode ser feito com o que estiver à mão: tijolos, paralelepípedos, camisas emboladas, chinelos, os livros da escola e até o seu irmão menor.
3. O CAMPO
O campo pode ser só até o fio da calçada, calçada e rua, rua e a calçada do outro lado e, nos grandes clássicos, o quarteirão inteiro.
4. DURAÇÃO DO JOGO
O jogo normalmente vira 5 e termina 10, pode durar até a mãe do dono da bola chamar ou escurecer. Nos jogos noturnos, até alguém da vizinhança ameaçar chamar a polícia.
5. FORMAÇÃO DOS TIMES
Varia de 3 a 70 jogadores de cada lado. Ruim vai para o gol. Perneta joga na ponta, esquerda ou a direita, dependendo da perna que faltar. De óculos é meia-armador, para evitar os choques. Gordo é beque.
6. O JUIZ
Não tem juiz.
7. AS INTERRUPÇÕES
No futebol de rua, a partida só pode ser paralisada em 3 eventualidades:
    1. Se a bola entrar por uma janela. Neste caso os jogadores devem esperar 10 minutos pela devolução voluntária da bola. Se isso não ocorrer, os jogadores devem             designar voluntários para bater na porta da casa e solicitar a devolução, primeiro com bons modos e depois com ameaças de depredação.
    2. Quando passar na rua qualquer garota gostosa.
    3. Quando passarem veículos pesados. De ônibus para cima. Bicicletas e Fusquinhas podem ser chutados junto com a bola e, se entrar, é Gol.
 
8. AS SUBSTITUIÇÕES
São permitidas substituições nos casos de:
    1. Um jogador ser carregado para casa pela orelha para fazer lição.
    2. Jogador que arrancou o tampão do dedão do pé. Porém, nestes casos, o mesmo acaba voltando a partida após utilizar aquela aguá santa da torneira do quintal de         alguém.
    3. Em caso de atropelamento.
 
9. AS PENALIDADES
A única falta prevista nas regras do futebol de rua é atirar o adversário dentro do bueiro.
Os casos de litígio serão resolvidos na porrada, prevalece os mais fortes e quem pegar uma pedra antes.
10. A JUSTIÇA ESPORTIVA
Os casos de litígio serão resolvidos na porrada.
QUEM NÃO JOGOU, PERDEU UM DOS MELHORES MOMENTOS DA VIDA.


Via: Barba Longa
Crônica de  Luis Fernando Verissimo: Crônicas 6, sétimo volume da coleção "Para Gostar de Ler"















sábado, 23 de julho de 2011

Uma dúvida Animal a respeito das Redes Sociais para o Pessoal

Muitos amigos se queixam por que eu deixei de atuar no Facebook. Faz um mês encerrei minha conta. A resposta foi nessa linha, mesmo, cansei de ser um ator, num palco em que sirvo a uma rede social. Sem remuneração, para o bem financeiro da própria rede. Tem algo de ser visto, de comentarem o prato que você cozinhou, da foto dos Andes que você tirou, da balada em que você estava, suas opiniões, etc. Mas muitos amigos me disseram também que preferiam a época em que eu escrevia algo mais profundo, pensado e de relevância no Blog.

Hoje fiz um café da manhã demorado, com suco feito na hora, mamão, torrada com queijo e peito de peru, fechado com um expresso italiano duplo. Melhor que o nescafé jogado numa xícara de leite quente. Blog x Facebook.

Depois sentei com o novo Lenovo, para rever o vídeo que meu filho, um novo adepto do Google+ compartilhou com seus círculos. O vídeo compara Google+ e as outras ferramentas de redes sociais. Anexo o mesmo aqui, e depois dele meu comentário na rede nova do gigante da internet.
Sim, claro que acabei entrando, só para avaliar, nesse G+.





"Obviously this is one of many Google's viral marketing strategies. The worse of it all, you are already f***ed. You blog on Blogger, talk on Skype, email on gmail, share photos on Picasa, search on Google. So I don't know how long can we NOT use G+. I shut down Facebook because of lack of time and energy, that I'd rather go out and spend with real people. But what is real, anyway? The sensorial world is but an illusion." 


Sim, eu já uso tudo do Google, desde o mecanismo de busca, o navegador Chrome, o Picasa, o Blogger, o Google Earth e Maps, enfim, o Big Brother já tem todas as câmeras focadas em mim, se quiser.


Mas meu dilema maior foi: sair à rua e fazer programas reais com pessoas reais, chamar os amigos em casa para tocar no piano real, ou sentar na frente do computador e brincar de tudo virtualmente? Um toma o tempo e energia do outro.


Decidi então, sempre dar prioridade ao real. Mas e hoje, nesta manhã fria de sábado nublado, que promete trazer chuvas esparsas, em que muita gente vai ficar no quentinho do sofá com o laptop esquentando um pouco mais?


Vou à internet, entro no G+, no Twitter, e começo a coçar a cabeça. Que fazer? Bloggar...