sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Lidar com a dor

Dor? Remedio nela. Não é bem assim.
Que aviso ela está dando para nosso corpo e mente?

Não podemos nos desconectar deles, e a dor é um mensageiro. Veja que post interessante 
September 22, 2017

The Message of Pain
Valuable Information

by Madisyn Taylor

Both emotional and physical pain are messages that we need to stop and pay attention.

When we feel pain, our first impulse is often to eradicate it with medication. This is an understandable response, but sometimes in our hurry to get rid of pain, we forget that it is the body's way of letting us know that it needs our attention. A headache can inform us that we're hungry or stressed just as a sore throat might be telling us that we need to rest our voice. If we override these messages instead of respond to them, we risk worsening our condition. In addition, we create a feeling of disconnectedness between our minds and our bodies.

Physical pain is not the only kind of pain that lets us know our attention is needed. Emotional pain provides us with valuable information about the state of our psyche, letting us know that we have been affected by something and that we would do well to focus our awareness inward. Just as we tend to a cut on our arm by cleaning and bandaging it, we treat a broken heart by surrounding ourselves with love and support. In both cases, if we listen to our pain we will know what to do to heal ourselves. It's natural to want to resist pain, but once we understand that it is here to give us valuable information, we can relax a bit more, and take a moment to listen before we reach for medication. Sometimes this is enough to noticeably reduce the pain, because its message has been heard. Perhaps we seek to medicate pain because we fear that if we don't, it will never go away. It can be
empowering to realize that, at least some of the time, it is just a matter of listening and responding.

The next time you feel pain, either physical or emotional, you might want to try listening to your own intuition about how to relieve your pain. Maybe taking a few deep breaths will put an end to that headache. Perhaps writing in your journal about hurt feelings will ease your heart. Ultimately, the message of pain is all about healing.

To discuss this article, click:
http://discuss.dailyom.com/cgi-bin/discuss/displaytopic.cgi?tid=177949

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Diferentes habilidades geram resultados similares

Muitas vezes eu tento explicar que o ser humano se destaca por usar ferramentas. Esta semana uma republicação na TV de reportagem de um jornal mostrou macacos-prego na caatinga brasileira usando ferramentas rudimentares. Quem sabe em 100.000 anos eles tenham uma civilização própria. Se não os destruirmos antes.

Voltando ao tema, encontrei hoje um artigo da Madsyn Taylor do Daily Om, que faz uma analogia com remos, ao invés de ferramentas.

Some of us use our high IQs to get where we want to go. Some of use our smiles, others use kindness, a gift with language, or athletic ability. Some of these qualities we were born with and others are skills we have learned. Considering this metaphor in light of your own life can be very enlightening. What tools are you using to get from point A to point B in your life? Chances are, you and the people you know have used many different tools in various combinations throughout your lives to get where you needed to go. Just as with oars or paddles, a balanced approach is best. If you rely too much on one thing, like beauty, to open doors, you fail to be well-rounded and you may eventually lose your equilibrium. And if you lose that one quality, you have no paddle at all. This is inspiration to develop multiple tools to navigate your world.

Olhando para carreiras e vidas de amigos e familiares, vejo que muitos deles(as) usaram seus sorrisos, gentilezas, caridade, habilidade física ou atlética para chegar onde queriam. Não precisamos ficar presos a comportamentos ou ferramentas únicas.


(reportagem mencionada da FOLHA SP de 12/07/2016 e repetida pelo Fantastico de 16/07/2017 / descoberta de Tiago Falotico e Eduardo Ottoni - USP)

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Lidar com a decepção

Post traduzido de "Uma Ponte para a Aceitação" feito por
por Madisyn Taylor

O presente que recebemos quando temos uma decepção é nos trazer para a realidade, de modo que não fiquemos presos no mundo de como as coisas poderiam ter sido.

Sempre que fazemos alguma coisa na vida, com uma expectativa de como gostaríamos que terminasse, corremos o risco de experimentar decepção. Quando as coisas não saem da maneira que tinhamos imaginado, podemos sentir uma gama de emoções, que possa nos deixar deprimido ou até com raiva. Podemos direcionar nossos sentimentos para dentro em direção a nós mesmos, ou para fora em direção a outras pessoas ou o universo em geral.
Sentir-se decepcionado por nós mesmos, um amigo, ou pela vida em geral, a decepção é sempre um sentimento difícil de experimentar. Ainda assim, é uma parte natural da vida, e há muitas maneiras de lidar com ele quando nos encontramos na sua presença.

Como acontece com qualquer sentimento, decepção veio a nós por uma razão, e nós não precisamos temer reconhecê-la ou senti-la. Quanto mais formos capazes de aceitar como estamos nos sentindo e processá-lo, mais cedo vamos passar para um novo território emocional.
Quando nos sentamos para permitir-nos sentir a nossa decepção, nós podemos querer escrever sobre a experiência de ter sido decepcionado pela situação, pelo que estávamos esperando acontecer, e o que aconteceu. O dom que nos dá uma decepção é a sua capacidade para nos trazer em contato com a realidade, de modo que nós não ficamos presos por muito tempo no mundo de como as coisas poderiam ter sido.

Ao considerarmos outras decepções na nossa vida e como passámos por elas, podemos até ver que em alguns casos, o que aconteceu foi realmente melhor no longo prazo do que o que queríamos que acontecesse. Decepção, muitas vezes faz-nos sentir esvaziados com sua mensagem de que as coisas nem sempre saem da maneira que queremos. A beleza da decepção, porém, é que ela nos fornece uma ponte para seu outro lado, onde a aceitação da realidade, sabedoria e energia para começar de novo podem ser encontradas.

sábado, 3 de setembro de 2016

Superando a autossabotagem

A autossabotagem é uma das piores formas de se manter no status quo. Porque você tenta, se joga nos projetos, mas de alguma maneira você mesmo consegue falir a empreitada, para não desfrutar da liberdade emocional e alegria que você nasceu para ter.  

Só queria dizer que enfrentar o seu medo, raiva e outras emoções, leva um dia para o fim da guerra interna com você mesmo. Como estar certo de que você está se sabotando?
Faltou energia? Desanimou? Autossabotagem é a manifestação externa de nossos sentimentos de vergonha, raiva, de que falta dignidade. E o pior: sabemos onde vamos falhar e lá que nos sabotamos.


Faça uma lista de cinco coisas que você está fazendo para sabotar a si mesmo. Decida ter o melhor ano de sua vida, e para isso você terá que fazer o oposto do que você tem feito. 

Assim abri uma empresa. Escrevi um livro. Fechei o primeiro novo negócio. Trouxe alguém para completar minha vida com alegria e felicidade. Funciona.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Sofrer e sacrifício: crenças falsas


Todos nós temos a chance de viver nossas próprias vidas, em nosso próprio tempo, e aprender o que é verdadeiro para nós. Por isso não acredito em dizer como outros devem viver, porque muito poucas verdades são válidas para todas as pessoas, o tempo todo.

Por exemplo, a noção de que precisamos sofrer ou passar por miséria nesta vida, a fim de fazer o bem no mundo. Budismo já diz que sofrer é opcional, e faz tempo... 

Alguns de nós viveram em famílias ou ambientes onde havia essa mentalidade, herdada de ancestrais, e outras tantas falsas crenças. Mesmo falsas, elas têm um efeito sobre os nossos corações, nossas mentes, e nossa realidade. Estas crenças agem sobre nós, criando situações e relacionamentos que consideramos como "destino", quando eles são, na verdade, simplesmente nossa mente inconsciente se manifestando no mundo externo. 

Perceba se você ou alguém perto de você está carregando o fardo de uma mentalidade de pobreza. Pode se perguntar por que não está manifestando abundância, especialmente se nós sabemos que todos nesta Terra merecem. 

Vamos nos livrar dessa energia de que não precisamos mais.

(foto: Lapinha, MG. Do Autor, 2007)

 

quinta-feira, 23 de junho de 2016

As palavras ditas são uma forma de enviar energia

Inspirei-me num post de Madisyn Taylor do Daily Om.

"Words are energy"
As palavras são Energia

A música de Idioma

Ao mesmo tempo, recebi uma mensagem de um amigo que admiro por ter criado sua empresa, porque eu também fui criar o meu sonho. Ele escreve: "Você vai conseguir o que quiser, MR!"

Tenho que concordar com Madsisyn, que diz que "Cada palavra que falamos tem uma vida própria, uma assinatura vibratória que cria ondas na imensidão do universo."

Quando falamos ou escrevemos, usamos palavras para criar e transportar significado. Você acredita que assim também estamos enviando energia, a partir de nós mesmos para outra pessoa ou grupo de pessoas?

O poder da palavra é inquestionável. Talvez temos muito menos consciência disso que deveríamos. Usando-as bem, podemos ser a mudança que queremos no mundo.

Don Miguel Ruiz dos "Quatro compromissos" já nos explicou que na sabedoria Tolteca, podemos usar a palavra como magia branca ou negra. Qual a que você usa?

sábado, 18 de junho de 2016

O homem está condenado. Se é para nossa civilização sobreviver...





"Eu sei e posso. Só não quero mais voar

Eu não sou mais tão ingênuo

Permitam-me procurar a melhor parte em mim

Eu sou mais que um pássaro... Eu sou mais que um avião

Mais que um rosto bonito ao lado de um trem

Não é fácil ser... eu

Queria poder chorar

Cair de joelhos

Achar uma maneira de mentir

Sobre um lar que eu nunca verei"
(trad. Superman  - It's not easy - Five for Fighting)

Pode parecer absurdo, mas precisam escrever. Nossa geração ainda tem o superhomem como ideal. Não sabem que até mesmo heróis têm o direito de sangrar. De sonhar. De poder dormir profundamente a noite.

Esse aí é só um homem com um lençol vermelho engraçado.
Zarathustra atribui à civilização de seu tempo a tarefa de preparar o vinda do Übermensch, o Superhomem do escritor e filósofo Nietszche.
De certa forma, os desafios que nos foram repassados, assim o requerem. Se é para nossa civilização sobreviver... talvez só com um milhão desses.


segunda-feira, 9 de maio de 2016

POR QUE AGORA?

Sim, não se apresse. Vamos deixar toda a alegria, que você pode imaginar que pode ser sua agora, para curtir em um momento futuro.
Sim, deixe para depois. Agora não.



Fique em casa. Estique-se no sofá. Feche os olhos. Ou não.

Como usar o pouco tempo que temos é uma das decisões mais importantes que fazemos. No entanto, é muito fácil deixar para amanhã o que estamos sonhando hoje. O ritmo frenético da existência moderna nos oferece uma saída fácil -  engavetar as nossas aspirações para que possamos lidar mais eficazmente com os desafios do presente, aparentemente para ter mais tempo e lazer para realizar o nosso objetivo no futuro. Ou dizemos a nós mesmos que vamos perseguir nossos sonhos, algum dia, uma vez que realizamos outras metas menores. Na verdade, é o medo que nos impede de buscar a realização no aqui e agora, porque o fracasso é uma possibilidade.

Deixar para depois parece racional.

Mas não há nenhuma razão realmente convincente por que deveríamos adiar a realização dos sonhos que nos sustentam.

Mude a pergunta.

Use: "Por que não agora?"