terça-feira, 5 de novembro de 2013

Preocupar-se com algumas poucas coisas

Com o Facebook ocupando cada vez mais de nosso tempo online para uso pessoal, fica relegado ao ostracismo este querido Blog, o qual pretendo dar um mínimo de atenção e carinho nos próximos meses. Vamos ver se recomeço bem.

Retiro e comento isto de um artigo na www.Fool.com ("Tolo"), um site sobre aconselhamento de investimentos. Sim, para ajudar os seus leitores a ganhar (teoricamente) mais dinheiro.
O que ele diz? (eu traduzi alguns pedaços)

O título é o máximo:

Porque Ganhar muito dinheiro pode fazer você infeliz
Por Brian Stoffel | 31 de agosto de 2013

Ele pergunta:
"Quanto dinheiro você precisa para ficar financeiramente confortável? Tome um tempo. Pense nisso. Escrever este número em algum lugar."
(eu escrevi uma renda mensal e um estoque de dinheiro no Banco)
OK , próxima pergunta : O que, na vida, faz você ficar mais contente, no seu dia-a- dia? Anote o seu três primeiros pensamentos/coisas."
(eu escrevi: apertar meus filhos e estar do lado deles, ver coisas bonitas passeando a pé, moto ou bicicleta, comer bem e dormir bem)

"Agora olhe para tudo que você tem em sua folha de papel. Quando eu fiz esse exercício , eu vim com US $ 60.000 e (1) tempo com minha família , (2) estar fora de casa / fazer exercícios , e (3 ) um descanso de boa noite . À primeira vista, as minhas respostas não parecem ter nada a ver uma com a outra . O mesmo pode ser verdade para você.
Cave mais fundo e você pode achar que eles estão intrinsecamente relacionados. Na verdade, QUANTO maior for o seu  número, TANTO mais difícil pode ser para você ter mais de suas três fontes de contentamento."

CARAMBA! (não foi nem a primeira, nem segunda, nem terceira vez que fiz isso. já fiz uma dúzia de vezes)

Uma desconexão global
Pois os estudos mostraram que quando as pessoas atingem um certo limite de renda - o nível varia com base no estudo que você escolher - o dinheiro tem pouco a ver com a felicidade. Mesmo assim , não é necessariamente dinheiro que nos faz feliz , é também a simples ausência de estresse e ansiedade relacionada com dinheiro.

Podemos dizer que isso é óbvio, que nós já sabemos isso - mas que não combinava com todas as informações que temos sobre ansiedade e depressão nos Estados Unidos .

De acordo com o Centers for Disease Control, entre 1988 e 2008 ", a taxa de uso de antidepressivos nos Estados Unidos em todas as idades aumentou quase 400%. " Aproximadamente 20 % dos americanos sofrem de algum tipo de transtorno de ansiedade. E cerca de duas vezes mais americanos morrem por suicídio do que de homicídio a cada ano.

Seria ridículo dizer que tudo isso poderia ser explicado por uma ou duas variáveis ​​. Estes problemas são demasiado complexos , diversos, e pessoais para serem classificados em uma explicação legal.

O que está claro é o seguinte: Se por força de novos tratamentos médicos ou uma avaria na estrutura social saudável , temos pessoas comprovadamente mais cronicamente infelizes nos Estados Unidos do que temos no passado.

Será que podemos dizer isso para o Brasil? Ou para as classes A e B somente? Ou todas?

DRA. Jennifer Aaker , professora da Graduate School of Business de Stanford., a partir da investigação dos outros, Aaker diz que normalmente nos faz feliz não é o dinheiro , a inteligência , a educação , ou a juventude - ainda que implicitamente, acho que é. Em vez disso, felicidade e contentamento tem mais a ver com a autonomia sobre a forma como gastamos nosso tempo, e com as coisas tais como humor, trabalho voluntário , e as habilidades sociais . Resume a duas palavras , conexões sociais. Se quiser ser mais feliz, Aaker diria , é preciso se concentrar mais em conexões sociais , e menos em dinheiro e status."


Bom, aí veio um termo criado em 2011 por Tyler Cowen . Um assalariado limiar é alguém que procura ganhar uma certa quantia de dinheiro e nada mais ... a fim de experimentar outros ganhos na forma de lazer - se passar o tempo com amigos e familiares , andando na mata, e assim por diante " .

Éramos assim: depois de caçar e coletar o que precisávamos para viver, descansávamos e íamos fazer outra coisa. Como gatos, macacos,  que assim são projetados para funcionar. Mas agora vivemos em uma sociedade que temos um estilo de vida muito sofisiticado, de acumular e usufruir de muito, e esse estilo fica muito difícil jogar fora. Então esse assalariado limiar são um exemplo de um grupo de pessoas - conscientemente ou não - tomando medidas corresponder a esse comportamento evolutivamente estável .
Não um preguiçoso ou um largado. Pelo contrário, é alguém que é livre para perseguir seus interesses sem coerção constante - aliás, isso é a base do Capitalismo - para consumir MAIS! Você tem que trabalhar MAIS para comprar MAIS!! Pra isso veio o MARKETING!

Embora possa não ser prático para você sair do seu trabalho amanhã para maximizar o tempo com sua família, a idéia do assalariado limiar fornece uma estrutura mental para que você examine como você gasta o seu dia . Aproveite o tempo para considerar: Qual é o limite que eu preciso para ganhar ? Ele pode ser menor do que você pensa . E só essa realização pode ser um enorme peso de seus ombros .



terça-feira, 25 de junho de 2013

Lide melhor com uma pressão animal

Você pode estar se sentindo oprimido(a) pela tensão física e mental hoje, ou uma pressão animal, porque vai ter que ficar na presença de pessoas que costumam intimidá-lo(a). Falar
francamente com pessoas em posições de autoridade ou aquelas cujas
realizações estão muito acima das suas, pode ser uma experiência
desconfortável e constrangedora.

No entanto, você pode trabalhar o estresse que você sente hoje, e superá-lo
facilmente, lembrando-se que as pessoas perante você são seres humanos
também, lutando para lidar com os desafios da vida que lhes cabem.

Quando você tiver que interagir com aqueles que intimidam você, mantenha seu senso
de propósito e sua capacidade de se concentrar na mensagem que deseja
transmitir. Aí tudo pode se tornar mais simples, pois você aproveita a
oportunidade para cultivar a consciência de seu valor.
(Inspirado em DaylyOm)

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

O obstaculo deixa de ser uma pedra. Passa a ser um Mineral.

Quando oferecemos nada além de desculpas em nossas vidas, não estamos sendo honestos com ninguém, principalmente a nós mesmos. Desculpas podem parecer como razões racionais para nós mesmos, para não fazer alguma coisa. Examinemos com muito cuidado: por que não podemos realizar o que nos propusemos a fazer, e em vez de encontrar alternativas, escolhemos  desistir?
 Se pudermos ser honestos com nós mesmos e assumir a responsabilidade por nossas escolhas, vamos começar a observar que desculpas nos atrapalham mais que ajudam.
Quando mantemos nossas mentes focadas em nossos objetivos, vamos ver as desculpas desaparecerem à luz das nossas prioridades, e as dificuldades tornam-se desafios que podem nos ajudar a nos tornarmos mais sábios(as) e mais fortes.