quarta-feira, 7 de abril de 2010

Aproveitando o filme e que Chico Xavier está na boca do povo

Resolvi repassar uma bonita mensagem que veio de um tio meu que mora em Sorocaba.
Eu considero que um dos maiores obstáculos a se reinventar a cada dia, e ser melhor, é a desculpa de estar preso a coisas erradas feitas no passado.
Perdoando a si mesmo e aos outros, temos uma ficha limpa, a qual não queremos manchar. E precisamos dela.
Bom, leia as palavras dele, que são bem melhores. M.R.

                               

 



Imaginemos, por um minuto, que mundo maravilhoso seria a terra, se todos perdoassem!

 

Se todos perdoassem, a ventura celeste começaria de casa,

onde todo companheiro de equipe doméstica perceberia que a experiência na reencarnação é diferente para cada um e,

por isso mesmo, teria suficiente disposição para agir em apoio dos associados da edificação em família,

a fim de que venham a encontrar o tipo de felicidade pessoal e correta a que se dirigem.

 

Se todos perdoassem, cada grupo na comunidade terrestre alcançaria o máximo de eficiência na produção do bem comum,

porquanto, em toda parte, existiria entendimento bastante para que a inveja e o despeito,

o azedume e a crítica destrutiva fossem banidos para sempre do convívio social.

 

Se todos perdoassem, o espírito de competição, no progresso das ciências e na efetivação dos negócios,

subiria constantemente de nível moral, suscitando as mais belas empresas de aprimoramento do mundo,

porque o golpe e a vingança desapareceriam do intercâmbio entre pessoas e instituições,

com o respeito mútuo revestindo de lealdade os menores impulsos à concorrência,

que se fixaria exclusivamente no bem com esquecimento do mal.

 

Se todos perdoassem, a guerra seria automaticamente abolida do Planeta,

de vez que o ódio seria erradicado das nações,

com a solidariedade traçando aos mais fortes a obrigação de socorro aos mais fracos,

não mais se verificando a corrida de armamentos e sim a emulação incessante à fraternidade entre os povos.

 

Se todos perdoassem, a saúde humana atingiria prodígios de equilíbrio e longevidade,

porquanto a compreensão recíproca extinguiria o ressentimento e o ciúme,

que deixariam, por fim, de assegurar, entre as criaturas,

terreno propício à obsessão e à loucura, à enfermidade e à morte.

 

Se todos perdoarmos, reformaremos a vida na Terra,

apagando de todos os idiomas a palavra 'ressentimento' ,

para convivermos, uns com os outros,

acreditando realmente que somos irmãos diante de Deus.

 

Quando todos aprendermos a perdoar,

o amor entoará hosanas, de pólo a pólo da Terra,

e então o Reino de Deus fugirá em nós e junto de nós para sempre.

 

Francisco C. Xavier / Emmanuel




Hotmail: Powerful Free email with security by Microsoft. Get it now.

6 comentários:

Mari Amorim disse...

Marcos,
Bela mensagem!
Bom seria se a humanidade amasse mais.
saudades,
Boas energias
Mari

Jou Jou Balangandã disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jou Jou Balangandã disse...

Então, o filme está na minha listinha de coisas a serem feitas. Adoro o Chico Xavier, também aproveitei a onda e postei frases dele no Jou Jou. Mas será que um mundo assim, com tanto perdão, seria realmente benéfico? O ser humano iria lutar para evoluir, sabendo que sempre será perdoado? Será que o idiota que resolveu que todos os pratos do comida de boteco desse ano teriam jiló merece realmente ser perdoado? Pode ser que eu não tenha pego o feeling do texto ...

MR disse...

Adorei os comentarios! Bjs Mari e Jou Jou.

Dedinhos Nervosos disse...

Tô louca pra ver este filme. Os textos queme chegam dele sempre vem em ótimos momentos. Curioso isso, né? E hj não foi diferente. Obrigada. Bjo.

Anônimo disse...

Vou ver o filme o quanto antes!!