sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Finalmente em Terra pátria


Sem querer ser clichê de empresa nacionalista, pensei hoje no meu "orgulho de ser brasileiro". Além disso, no trajeto Guarulhos - Jardins, ouvi muita música brasileira, inclusive Gonzaguinha com "...eu acredito na rapaziada... que segura o rojão". Terra boa, cheia de oportunidade.


Não sei se é o efeito verão com calor escaldante e umidade insuportável da Flórida, mas as lojas e lugares todos desertos. Um amigo que lá vive, em West Palm Beach onde me hospedei, disse que "... isso aqui está como a Grande Depressão de 1929/30. A coisa está preta mesmo." Bom, ele vende coisas para os super-ricos, e consegue se virar.


No Duty Free de GRU os preços subiram uns 20%. Teria sido o aumento do poder aquisitivo do Brasileiro em Dólar?


Comprei um Tissot para lembrar dos meus avós que adoravam a marca, os dois. Pena que perdi na minha adolescência um modelo 1944. Paciência. O gostar da marca ficou em mim e ostento o meu no pulso com orgulho. É lindo.


Nada como almoçar na casa da mãe!


PS: Sem falar que aluguei uma Corvette Amarela, 0-100 em menos de 6. ANIMAL!! Joga o corpo e a cabeça da gente para trás.

Nenhum comentário: